quarta-feira, 18 de outubro de 2017

SENADO: o que vocês ensinam aos meus filhos?

Não compro material pirata. Tenho vários DVDs originais (de desenhos em especial), mas meus não assistem muitos filmes recém-lançados, pois esperamos passar o tempo e os DVDs ficarem mais ‘barato’. Quando o meu filho (tenho um casal) tinha 4 anos de idade, quando voltávamos de um mercado para casa, no caminho, próximo de casa, ele estava com um maxixe na mão. Perguntamos: “Filho, onde você pegou isso?” Ele disse “Estava no chão do mercado.” Com calma e tato, dissemos que não compramos e não podíamos trazer, e voltamos ao mercado, que já havia fechado, e o vigia na porta, esperando os últimos clientes encerrarem as compras. Pedi para meu filho entregar aquele legume ao segurança, mas segurando ele em meu colo, deixando ele se sentir protegido diante do que faria. Ele entregou e eu expliquei ao guarda que por estar no chão ele achou que podia pegar. Aquele segurança demonstrou no rosto que estava entendendo o que eu estava ensinando ao meu filho. Minha filha, certa vez ficou indignada em saber que um colega de classe que ela viu colando na prova, teria melhor nota que ela. “Pai isso é muito injusto!”, dizia ela a mim, após contar à minha esposa. Quando eles reclamam de alguma ação impensada e injusta de professores, sempre conversamos com eles para que fiquem quietos e respeitem os professores. Até hoje, só recebemos elogios dos professores quanto a educação e comportamento deles, embora crianças tanto quanto as outras, cujos comportamentos podem variar. Devo a isso ao padrão de moral que fé cristã bíblica exige dos pais aos filhos (Ef 6.4), o que se espera até de  pais não cristãos.

Pois bem, todas as manhãs quando levo eles à escola, lá vamos ouvindo o Jovem Pan. As notícias políticas do Brasil é apenas aquilo que percebemos hoje. Corrupção, quando muito, corrupção. Com a notícia da decisão do Senado em favor do Sr Aécio Neves e contra a decisão do STF, percebo que o Senado Brasileiro, entre outros, não possui moral alguma para dizer o que é certo ou errado nem mesmo para crianças. Piorou para os meus filhos! Deixar a política brasileira determinar o que é moral para meus filhos é jogar eles na cadeia na dissimulação, na malandragem, ou no prostíbulo. Os Senadores (não todos) institucionalizaram a corrupção de forma descarada.. Já basta a TV Brasileira (com raras exceções como o SBT) que não sobra quase nada para nossas famílias, agora cada vez mais nossas autoridades se tornam em um grupo desonrado que meus filhos não podem se espelhar - embora legalmente estejam empossados, e assim devem ser considerados.

·        Eles estão dentro da legalidade – quando corruptos possuem o poder sobre as Leis, podem ser “legais”, mas continuarão imorais!!!

Que Deus tenha misericórdia! Abra os olhos dessa nação, e que nas próximas eleições possamos mudar o que está aí no poder há décadas. Pensemos ao menos em nossos filhos, já que nós mesmos já estamos nesse lamaçal político há muito tempo.

"... quando o ímpio domina, então o povo suspira." 
(Pv 29.2,b - Atualizada Nova Edição).


terça-feira, 17 de outubro de 2017

AUGUSTUS NICODEMUS: ENTENDENDO A IDEOLOGIA DE GÊNERO


Assista essa palestra do Rev. Nicodemus, importante teólogo reformado brasileiro, sobre esse assunto tão febril em nossos dias - a ideologia de gênero.


sábado, 14 de outubro de 2017

Aos Prs Elias Soares e João Flávio: calvinismo é heresia?

Veja no vídeo abaixo uma conversa produtiva entre dois gigantes da apologética brasileira sobre diversos assuntos. A especialidade deles é a heresiologia. Ambos contribuem significativamente para a defesa da fé contra as heresias. Louvo a Deus pela vida desses irmãos. Pastores também no rebanho de Cristo. 

Infelizmente, porém, no mesmo vídeo onde adventismo e catolicismo, são mencionados, ambos os apologistas afirmaram que o Calvinismo é uma heresia. Pensemos o que vem a ser heresia e se o calvinismo se encaixa nessa definição.

Em primeiro momento, devo destacar que ambos fazem uma distinção de heresia e heresias de perdição. Creio que eles não olham para os calvinistas como campo missionário. Em segundo lugar, para mim, em particular, o termo heresia deveria ser aplicado apenas às distorções de ensinos fundamentais, cardeais da fé cristã. Concordo com Ferreira e Myatt:
“[...] devemos fazer uma distinção entre heresia e erro. A heresia é uma negação do que é essencial para a salvação, tema este que nos distingue como evangélicos. Já o erro é uma negação de algum aspecto da verdade revelada que não é essencial a salvação. Por isso, a heresia e o erro devem ser evitados, no entanto, somente a heresia deve ser considerada um obstáculo intransponível para a comunhão.” (Teologia Sistemática, [Vida Nova] p. XXV).

Por exemplo, fazer separação entre Israel e Igreja, é um ensino errado, frágil, e insensato, presente na teologia de Soares e Martinez (salvo o engano). Não sei até que ponto, o dispensacionalismo também é assumido por ambos, mas também é um desvio consistente da Escritura. Isso é heresia? Não a meu ver. Soares e Martinez talvez poderiam responder se outros ensinos dispensacionalistas são heréticos como esses que se seguem:

O dispensacionalista J. Dwight Pentecost, no Manual de Escatologia afirma a respeito da interpretação ‘correta’ do que será restaurado no milênio, segundo os dispensaccionalistas, é semelhante ao arônico, mas não necessariamente o mesmo. Existem diferenças e semelhanças. Que semelhanças são essas? J. D. Pentecost usa texto de Ezequiel e afirma: 

“Existem certas semelhanças entre os sistemas arônico e milenar. No sistema milenar encontramos o centro da adoração num altar (Ez 43.13-17), onde o sangue é aspergido (43.18), e são oferecidos holocaustos, ofertas pelo pecado e culpa (40.39). A ordem levítica é restituída, já que os filhos de Zadoque são escolhidos para o ministério sacerdotal (43.19). A oferta de manjares está incorporada ao ritual (42.13). Existem rituais prescritos para a purificação do altar (43.20-27), dos levitas que ministram (44.25-27) e do santuário (45.18). Haverá observação das luas novas e dos sábados (46.1). Sacrifícios serão oferecidos diariamente pela manhã (46.13). Heranças perpétuas serão reconhecidas (46.16-18). A Páscoa será novamente observada (45.21-15) e a festa dos tabernáculos torna-se um acontecimento anual (45.25). O ano do jubileu observado (46.17). Há semelhanças nos regulamentos dados para governar o modo de vida, o vestuário e o sustenta da ordem sacerdotal (44.15-31). O templo no qual esse ministério é executado torna-se novamente o local onde se manifesta a glória de Jeová (43.3-5). Percebemos então que a forma de adoração no milênio terá grande semelhança com a velha ordem arônica.” (Manual de Escatologia, pp. 524,525).

Embora segundo Pentecost, o que mais importa são as diferenças e não as semelhanças, mas ambas nos preocupam. Achar que por ter diferenças, torna mais sublime, é um meio de nublar toda a problemática. Até mesmo nas diferenças, algumas coisas estranhas são apresentadas. Pois sugerem até que tal Templo e sacerdócio terá um “rei-sacerdote da ordem de Melquisedeque, talvez Davi ressurreto [...]” (p. 529)!!!

O sistema sacrificial: 
Segundo os defensores desse erro, os sacrifícios serão comemorativos e não expiatórios. Diz J. D. Pentecost que nem no VT os sacrifícios eram expiatórios, pois apontavam a Cristo, assim também serão os sacrifícios no milênio dispensacional: “Que insensatez argumentar que um ritual poderia realizar no futuro o que nunca pôde ser realizar, ou realizou, ou foi projetado para realizar no passado.”(Manual de Escatologia, p. 530). Os sacrifícios, então, “serão memoriais quanto ao caráter” escreveu o dispensacionalista. Enquanto no VT era algo que apontaria para o futuro, os sacrifícios do milênio dispensacionalista, serão em retrospectiva (p. 531).

Os sacrifícios de animais durante o milênio, proposto na escola dispensacionalista, talvez guiado por Davi, exercerá uma mesma função semelhante da santa ceia. Veja: 
“o pão e o vinho da ceia do Senhor são, para o crente, símbolos e memoriais físicos e materiais da redenção já adquirida. E esse será o caso com os sacrifícios reinstituídos em Jerusalém; eles serão comemorativos, como sacrifícios antigos se davam em perspectivas.” (Manual de Escatologia, p. 532).

O que nossos apologistas acham disso? Quando comparo tais ensinos com a doutrina do Juízo Investigativo de Ellen White, creio que ela tem menos problemas com sua lenda do que os tais ensinos dispensacionalistas.

Uma pergunta importante ainda é: o calvinismo é heresia em comparação a o que? Nem Soares nem Martinez podem apontar heresias em assuntos como a doutrina de Deus, do pecado, da salvação, ou da revelação no sistema reformado. Certamente só pode ser heresia em comparação ao Arminianismo e ao Catolicismo. Nesse ponto, os nossos irmãos Elias e Martinez, seriam exclusivistas, haja vista que apenas o sistema doutrinário deles seria correto. 

O que faz o calvinismo ser herético para Elis Soares e João Flávio Martinez? Respondo: Visto que o pecado destruiu a boa intenção do homem em direção a Deus, Deus ser Soberano da extensão de sua salvação, e para realizar isso, O Espírito santo chamar irresistivelmente seus eleitos, aplicando neles os benefícios salvadores da Redenção de Cristo, visto que o mesmo morreu eficazmente pela igreja, e preservando-os em sua graça sob as exortações e santificação do Espírito!

Ambos, não são capazes ainda de notarem, que o baixo nível que os evangélicos se encontram no Brasil é devido os desvios do pentecostalismo místico (chamado de neopentecostal) ou do pentecostalismo antigo (mais legalista) e do arminianismo humanista, que impactou até mesmo igrejas reformadas, mas que agora estão sendo despertados pela força das doutrinas reformadas. Aliás, se hoje há arminianismo clássico, é mais um reação ao calvinismo do que remédio para o semi-pelagianismo que existe na mente da maioria dos evangélicos. 

Mesmo assim... assista o vídeo!






sexta-feira, 13 de outubro de 2017

A profecia Bíblica previu o avanço do ativismo gay

O que estamos vendo no Brasil e no mundo, é nada menos que um cumprimento profético. Algo estranho, é saber que por um lado o Islã é uma ameaça e em muitas alas, uma ameaça agressiva contra a Igreja de Cristo, com seus radicais massacrando os cristãos, ao cínico silêncio da mídia mundial, vejo outro extremo, o ativismo gay – que por natureza seria um absurdo oposto ao que o Islamismo defende. Mas ambos estão oprimindo a Igreja do Senhor Jesus.

Minha leitura bíblica cada vez mais me convence que temo uma clara profecia bíblica indo em vias de aumentar seus efeitos. Em Apocalipse 11 existe uma visão de “duas Testemunhas”, que os intérpretes mais conservadores e ortodoxos indicam como sendo símbolo da Igreja – autores como Russel Shedd (Escatologia do Novo Testamento, p. 60) e William Hendriksen (Mais que Vencedores, p. 155) entre outros indicam essa interpretação. Essas "duas Testemunhas" por fim serão mortas pela besta, isto é, serão massacradas pelo anticristo. Em qual terreno ele fará isso? Veja o que a profecia diz:

“E, quando acabarem o seu testemunho, a besta que sobe do abismo lhes fará guerra, e os vencerá, e os matará. E jazerão os seus corpos mortos na praça da grande cidade que espiritualmente se chama Sodoma e Egito, onde o nosso Senhor também foi crucificado. (Ap 11.8)

Percebemos que nessa linguagem simbólica, Egito sempre foi sinônimo do império que oprimiu o povo de Deus, e Sodoma, sinônimo da perversão sexual e homossexual. Estamos sim, diante do cenário que perseguirá a Igreja. Claro, outros agentes e seguimentos, também entraram nessa furiosa perseguição. Mas o que destaco aqui, é que o que sinaliza a nós claramente, essa guerra contra a Igreja de Jesus Cristo.


Ore, batalhe, persevere, apoie e ore pelos que estão na frente da batalha, acumule vigor espiritual, pois o ‘dia mau’ se aproxima!

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

As deturpações da Nova 'Tradução' do Novo Mundo das Testemunhas de Jeová

Uma comparação detalhada, com uma conclusão flagrantemente comprometedora, que deixa os apologistas da Torre (da internet), sob condições indefensáveis!



quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Edson Reis e o enfraquecimento da doutrina de 1914 das Testemunhas de Jeová

No vídeo abaixo, de maneira objetiva, o irmão em Cristo Edson Reis, chama a atenção para uma sutil informação onde parece que a Liderança 'profética' das Testemunhas de Jeová está começando a enfraquecer em seu bojo doutrinário a lenda de que em 1914 Jesus começou a Reinar no Céu. Data essa tão cara e importante para a história da religião do Corpo Governante.


Coloco abaixo as duas imagens que ele mostra no vídeo