terça-feira, 19 de setembro de 2017

Palestrante Adventista reconhece que trindade adventista é diferente

Há algum tempo tenho batido na tecla que há um engodo teológico adventista em relação a doutrina da trindade. Esse assunto veio à tona quando o apresentador da TV adventista, questionou uma palestra que fiz no Seminário Presbiteriano JMC (AQUI). Na ocasião achei estranho uma de suas objeções, que parecia questionar a doutrina clássica da Trindade. Então, um leitor do blog, o irmão Paulo Cadi em um comentário me fez esse apontamento, o que demandou pesquisas de minha parte.

A prova documentada que depois publiquei em meu livro, A Conspiração Adventista e a expandi de forma significativa em uma postagem aqui no blog, até hoje não foi questionada. Nem pode!

Assistindo alguns vídeos na internet me deparei com a palestra de um adventista de nome Lucas Higor (ex-pastor do movimento antitrinitário adventista, hoje novamente na IASD tradicional), em uma Igreja Adventista, onde ele afirma isso categoricamente, a partir do tempo 14:50 onde faz uma seleção de citação de crenças oficiais dos Presbiterianos, Batistas e Metodistas, e então fala abertamente que os Adventistas creem em outra trindade.

Apesar de sua avaliação sobre a crença oficial protestante sobre a trindade ter sido  de um reducionismo empobrecido, e com uma conclusão imprecisa, perceba a clara rejeição da Trindade Clássica. Além disso, há mais problemas nessa histórica de pioneiros adventistas que não coaduna com essa ‘justificativa’ que ele apresenta.


Espero que mais teólogos brasileiros atentem a esse fato. Apesar de ser difícil, já que o Adventismo ganhou espaço no cenário evangélico nacional. Que Deus nos ajude, e que isso seja mais conhecido!



terça-feira, 12 de setembro de 2017

Nova Edição da Almeida Atualizada removeu a Cláusula Joanina – I Jo 5.7

Há um acordo entre as Sociedades Bíblicas de tempos em tempos, atualizarem a linguagem das Bíblias. Chegou mais uma vez, a vez da Almeida Revista e Atualizada. Por enquanto, apenas o uma edição com o Novo Testamento – Salmos e Provérbios, está disponível. As mudanças aplicadas a esse novo texto são explicadas na Apresentação – relacionadas especialmente em pronomes (tu ficou quando o relato demonstra um tratamento com Deus, e você com pessoas). Uma mudança necessária também foi colocar a ordem dos sujeitos antes dos verbos, como é a estrutura em nossa língua.  Excluíram-se as mesóclises, “louvar-te-ei” para o simples “te louvarei”, mais comum em nossos dias.

No entanto, houve algumas mudanças significativas que foge da área gramatical apenas. O que fez com essa Nova Edição da Almeida Atualizada se aproximasse mais da Almeida Século XXI (antiga Almeida Revisada) do que da Almeida Corrigida. Vou citar alguns exemplos:

1º) Novos colchetes. Sabemos das questões envolvem Marcos 16.9-20 [o fim longo ou curto]; Jo 7.53-8.11[a mulher adúltera]. A Almeida Atualizada não colocava colchetes no texto de Marcos. Nesse ponto nem emitia nenhuma informação no texto, tal como as Edições da Almeida Corrigida. Nessa Nova Edição, porém, o trecho de Marcos está em colchetes com nota informando que a passagem “se encontram apenas em manuscritos mais recentes.”

A validade e refutação dos argumentos críticos dessas, e de outras passagens, podem ser lidas na tese do Dr. Wilbur Pickering: AQUI

2º) I João 5.7. Talvez a mudança mais significativa se encontra na chamada “glosa joanina” ou “parênteses joanino”, das três testemunhas no céu. Até então, na Almeida Atualizada o texto polêmico aparecia pelo menos em colchetes. 

7 Pois há três que dão testemunho [no céu: o Pai, a Palavra e o Espírito Santo; e estes três são um. 8 E três são os que testificam na terra]: o Espírito, a água e o sangue, e os três são unânimes num só propósito.

Veja a imagem agora da Nova Edição da Almeida Atualizada:



Devemos destacar que tal texto não aparece nem nos mais antigos nem na maioria dos MSS do NT. Portanto, ele não é apoiado também no Texto Majoritário, caso alguém ainda entenda que Textus Receptus e Majoritário, hoje, seria termos intercambiáveis em serem supostamente 100% semelhantes.

O professor de grego do NT, João Paulo Aquino, do Centro de Pós Graduação, Andrew Jumper, afirma categoricamente:

“Em suma, a história textual aponta fortemente para o fato de que o texto aumentado [...] não é original e não deveria aparecer em nenhuma Bíblia, nem mesmo entre colchetes. Além disso, não há nenhuma razão para supor que esse texto seja original e tenha sido excluído por copistas em centenas de manuscritos.”



Provavelmente essa ‘exclusão’ na Nova Edição provocará novas e ardentes críticas pelos aderentes do Receptus

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

O maior desastre para as Testemunhas de Jeová

Como se não bastasse o abalo que a Torre de Vigia sofreu desde o advento da internet, onde a sua história verdadeira passou a ser conhecida, cresce o número de informações da existência dos Estudantes da Bíblia Associados, herdeiros da visão de C. T. Russel. Para quem conhece bem a identidade profética que essa religião imprime na sua teologia, sob as veredas de sua história, sabe que isso é um desastre total para as pretensões proféticas dessa religião.

É mais que certo, que o J. F. Rutherford, que colocou o nome nos Estudantes da Bíblia que o seguia, de "Testemunha de Jeová", se apoderou da herança histórica de Russel sem muito pudor. Talvez inúmeros Estudantes da Bíblia na época, também não se deram conta disso, mas muitos não o seguiram, desde o golpe jurídico que deu nos anos que seguiram após a morte de Russel (1916). Aí, percebe-se o porquê a Torre de Vigia precisa sempre acoplar outras datas e reajustes de doutrinas, posteriores a 1914, para que possam se tornar mais diferentes dos verdadeiros Estudantes da Bíblia Associados.

Abaixo um vídeo de um dos Estudantes da Bíblia no Brasil, explicando alguns desses problemas e o site desse movimento. As Testemunhas de Jeová, geralmente não se desligam delas, por que apenas elas, em tese, negariam a Trindade, o inferno, etc. Creio, que o número de ex-Testemunhas de Jeová se tornará o grande número desses Estudantes da Bíblia, à medida que o tempo passar e elas verem que mais uma vez, a Torre de Vigia omitiu informações. Isso, como aconteceu com as informações de Carl O. Jonsson, Raymond Franz, custarás novas demandas apologéticas nas entrelinhas, e uma outra onda de apologistas autônomos. 

Não que os Estudantes da Bíblia Associados tenham alguma luz do Evangelho verdadeiro conforme a interpretação clássica, mas ao menos são pessoas que estão falando a verdade a respeito de sua história. 




terça-feira, 5 de setembro de 2017

Os Presbiterianos e o Sábado, segundo Adventistas

O artigo adventista intitulado, Os Presbiterianos, a Lei e o Sábado, apresenta uma imagem a respeito da teologia oficial presbiteriana, para que de alguma forma ofereça subsídios para a defesa adventista a respeito do Sábado. Quero fazer alguns apontamentos a respeito desse artigo. Apesar de que o sábado se efetivou no Adventismo via Ellen White e suas visões, vou fazer uma avaliação sobre o artigo desconsiderando esse fator nevrálgico.

1. O patrono do presbiterianismo. O autor do texto fala que o Reformador João Calvino, é o mentor da teologia presbiteriana. Ele, porém, apenas deixou de mencionar que, em matéria de Sábado, a posição de João Calvino, não foi seguida exatamente pela teologia puritana, que produziu os Símbolos de Westminster. James M. Boice diz

“Em geral, há três abordagens para a questão do Sábado. Primeiro, tem sido ensinado por alguns que os cristãos devem guardar o sábado. Esta é a posição, por exemplo, dos adventistas do sétimo dia e também de outros. Segundo, há a visão de que o domingo é equivalente no Novo Testamento ao que é o Sábado no Antigo, e, portanto, é para ser guardado de maneira similar. A Confissão de Fé de Westminster chama o Dia do Senhor de Sabbath cristão [...] Terceiro, há a visão de que o sábado foi abolido pela morte e ressurreição de Jesus, e que um novo dia, O Dia do Senhor, que tem características próprias, substituiu-o. Essa foi a visão de Calvino que disse com clareza que “o dia sagrado para os judeus foi descartado e que outro [dia] foi colocado em seu lugar”. (Fundamentos da Fé Cristã, p. 203).

No livro Do Shabbath para o Dia do Senhor capítulo 11, demonstra que esse foi o fato. Nem Lutero, nem Calvino, defenderam uma postura idêntica daquela que viera a ser mantida pela Teologia Reformada posterior em seus postulados confessionais, no tocante ao quarto mandamento, em especial os de Westminster. Ainda que haja significativa semelhanças.

2. Os Dez Mandamentos – ‘resumidamente compreendida’. O artigo também cita a pergunta do Catecismo Maior de Wesminster que diz que a Lei Moral está “resumidamente compreendida” nos Dez Mandamentos. Precisamos qualificar melhor isso. A Lei Moral encontra um resumo, não seu detalhamento nos Dez Mandamentos. Possuem uma semente, que se expande em toda Bíblia. Jesus demonstrou isso no Sermão do Monte (Mt 5.21-32). Creio que uma diferença significativa aqui é que Adventismo tem um olhar muito místico nas duas tabuas, não seu valor pedagógico claramente pretendido, conforme advoga a Teologia Reformada. Nas tábuas da Lei não havia proibição nem punição para a fornicação entre solteiros, mas a lei exigia o casamento – caso o pai da moça não proibisse. Também, se compararmos a Lei em Êxodo 20 com Deuteronômio 5, percebe-se diferenças.

Veja um exemplo claro no Catecismo Maior de como o resumo é detalhado depois com inúmeras passagens bíblicas e em outras perguntas. Repare bem que a questão 123 recebe depois outras 10 questões de amparo para explicar o 5º mandamento:

123. Qual é o quinto mandamento? O quinto mandamento é: “Honrarás a teu pai e a tua mãe, para teres uma longa vida sobre a terra que o Senhor teu Deus te há de dar.” Ex 20.12.
124. Que significam as palavras “pai” e “mãe”, no quinto mandamento? As palavras “pai” e “mãe”, no quinto mandamento, abrangem não somente os próprios pais, mas também todos os superiores em idade e dons, especialmente todos aqueles que, pela ordenação de Deus, estão colocados sobre nós em autoridade, quer na Família, quer na Igreja, quer no Estado. Gn 4:20,21;45:8; II Rs 2:12;5:13; Is 49:23; Pv 23:22,25; I Tm 5:1,2;Gl 4:19. 125. Por que são os superiores chamados “pai” e “mãe”? Os superiores são chamados “pai” e “mãe” para lhes ensinar que, em todos os deveres para com os seus inferiores, devem eles, como verdadeiros pais, mostrar amor e ternura para com aqueles, conforme as suas diversas relações; e para levar os inferiores a cumprirem os seus deveres para com os seus superiores, pronta e alegremente, como se estes fossem seus pais. Ef 6:4; I Ts 2.7,8,11,12; I Co 4:14-16. 126. Qual é o alcance geral do quinto mandamento? O alcance geral do quinto mandamento é o cumprimento dos deveres que mutuamente temos uns para com os outros em nossas diversas relações como inferiores, superiores ou iguais. Ef 5:21; I Pe 2:17; Rm 12:10. 127. Qual é a honra que os inferiores devem aos superiores? A honra que os inferiores devem ao superiores é toda a devida reverência sincera, em palavras e em procedimento; a oração e ações de graças por eles; a imitação de suas virtudes e graças; a pronta obediência aos seus mandamentos e conselhos legítimos; a devida submissão às suas correções; a fidelidade, a defesa, a manutenção de suas pessoas e autoridade, conforme os seus diversos graus e a natureza de suas posições; suportando as suas fraquezas e encobrindo-as com amor, para que sejam uma honra para eles e para o seu governo. Gn 9:23; Ml 1:6; Pv 31:23,38,39; Lv 19:3,32; I Sm 26:15,16; I Rs 2:19;Sl 127:3-5; Mt 22:21; Rm 16:6,7; Ef 6:1,2; I Pe 2:13,1,18-20;4;3:6;  I Tm 2:1,2;5:17,18; Fl 3:17;Tt 2:9,10; Hb 12:9;13:7. 128. Quais são os pecados dos inferiores contra os seus superiores? Os pecados dos inferiores contra os seus superiores são: toda negligência dos deveres exigidos para com eles; a inveja, o desprezo e a rebelião contra suas pessoas e posições, em seus conselhos, mandamentos e correções legítimos; a maldição, a zombaria e todo comportamento rebelde e escandaloso, que vem a ser uma vergonha e desonra para eles e para o seu governo. Êx 21:15; Dt 21:18,20,21; Pv 19:26;30:11,17; I Sm 8:7;10:27; II Sm 15:1-12; Is 2:25;3:5; Sl 2:25;106:16; Mt 15:5,6. 129. Que se exige dos superiores para com os seus inferiores? Exige-se dos superiores, conforme o poder que recebem de Deus e a relação em que se acham colocados, que amem os seus inferiores, que orem por eles e os abençoem; que os instruam, aconselhem e admoestem, aprovando, animando e recompensando os que fazem o bem, e reprovando, repreendendo e castigando os que fazem o mal; protegendo-os e provendo-lhes tudo o que é necessário para a alma e o corpo; e que, por um procedimento sério, prudente, santo e exemplar glorifiquem a Deus, honrem-se a si mesmos, e assim preservem a autoridade com que Deus os revestiu. Dt 6:6,7; Cl 3:19; I Sm 12:23; Jó 1:5; Pv 29:15; I Rs 3:28;8:55,56; Is 1:17; Ef 6:3,4; Rm 13:3,4; I Pe 2:14;3:7; Tt 2:4,15; I Tm 4:12;5:8. 130. Quais são os pecados dos superiores? Os pecados dos superiores, além da negligência dos deveres que lhe são exigidos, são a ambição incontrolável, a busca desordenada da própria glória, repouso, proveito ou prazer; a exigência de coisas ilícitas ou fora do alcance de os inferiores poderem realizar; aconselhando, encorajando ou favorecendo-os naquilo que é mau; dissuadindo, desanimando ou reprovando-os naquilo que é bom; corrigindo-os indevidamente; expondo-os descuidosamente ao dano, à tentação e ao perigo; provocando-os à ira; ou de alguma forma desonrando-se a si mesmos, ou diminuindo a sua autoridade por um comportamento injusto, indiscreto, rigoroso ou negligente. Gn 9:21; Ex 34:2,4; Lv 19:29; Dt 17:17; I Rs 12:13,14; Is 56:10,11;58:7; Jr 5:30,31;6:13,14; Dn 3:4,6; Mt 14:8;23:2,4; Mc 6.4; Jo 5:4;7:18,46-48; At 4:18; Ef 6:4; I Pe 2:19,20; Fp 2:21;Hb 12:10. 131. Quais são os deveres dos iguais? Os deveres dos iguais são o considerar a dignidade e o merecimento uns dos outros, tendo cada um aos outros por superiores; e o alegrar-se com os dons e a promoção uns dos outros como sendo de si mesmos. Rm 12:10;15-16; Fp 2:3,4; I Pe 2:17. 132. Quais são os pecados dos iguais? Os pecados dos iguais, além da negligência dos deveres exigidos, são a depreciação do merecimento, a inveja dos dons, a tristeza causada pela promoção ou prosperidade dos outros, e a usurpação da preeminência que uns têm sobre outros. Nm 12:2; Pv 13:21; Is 65:5; Mt 20.15;25-27; Lc 15:28,29;22:24-26; Rm 13:8; II Tm 3:3; At 7:9; Gl 5:26; I Jo 3:12; III Jo 9. 133. Qual é a razão anexa ao quinto mandamento para lhe dar maior força? A razão anexa ao quinto mandamento, para lhe dar maior força, contida nestas palavras: “para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor teu Deus te dá”, é uma promessa de longa vida e prosperidade, tanto quanto sirva para a glória de Deus e para o bem de todos quantos guardem este mandamento. Ex 20.12; Dt 5:16; I Rs 8:25; Ef 6:2,3.

Por que se dá isso? Porque o Decálogo possui um resumo da Lei Moral, não sua extensão. Daí a conclusão do autor do artigo, que o CMW diz que o Decálogo é “A DECLAÇÃO DA VONTADE DE DEUS”, é reducionista, e não apresenta com precisão o que o CMW disse nas partes indicadas por ele.

3. Deus deu a Lei antes da Queda. O artigo também ventila, sem melhores esclarecimentos, que Deus deu a Lei a Adão como pacto de obras. Sem perdermos espaço com a questão do pacto da obras, deve ser dito que Adão recebeu a Lei de Deus em primeiro lugar de forma positiva. ‘Não ter outros deuses, não fazer imagens, não matar, não adulterar’, etc, são proibições negativas que levam em conta um estado de pecado presente na pessoa e no mundo, que não estavam presentes no Éden, muito menos no céu. Obviamente, Adão recebeu em sua consciência a Lei Moral, e também a proibição expressa da proibição de comer o fruto. O renomado teólogo reformado Louis Berkhof nos explica:

“Essencialmente, a lei moral, como Adão a conhecia, era sem duvida semelhante aos dez mandamentos, mas sua forma era diferente. Em sua presente forma, a lei moral pressupõe o conhecimento do pecado e, portanto, é primordialmente negativa; no coração de Adão, porém, só pode ter tido caráter positivo. Mas justamente por ser positiva, não trazia à consciência a possibilidade de pecar. Portanto, foi acrescentado um mandamento negativo.” (Teologia Sistemática, p. 200).

Outro teólogo reformado, A. A. Hodge diz:

“[...] essa lei moral, pelo menos em princípios essenciais, e até onde era necessária para guiar os homens num estado de inocência, foi revelada na própria constituição da natureza do humana” (Confissão de Fé Comentada, p. 340).

Em segundo lugar, alguns detalhes da lei, não estavam presentes na eternidade, já que o descanso sabático decorre da criação, na eternidade não devemos achar que havia sábado!

4. Colossesnses 2.16. Na avaliação do articulista, no tópico anterior em sua postagem, ele chamou a atenção a distinção da lei, entre moral e cerimonial. Obviamente essa é uma distinção feita pela teologia, que não é declarada na Escritura. Nós que devemos fazer o julgamento entre lei e lei, para chegarmos à essa conclusão. Daí, ele introduz um texto muito debatido – Colossesnses 2.16.

Esse texto é interpretado de duas maneiras na tradição reformada, e o autor adventista omite isso, se é que ele o sabe. Uma interpretação, que é que tal texto prova ao menos que o sábado foi abolido. Podemos demonstrar em um exemplo. 

Vejamos o que João Calvino escreveu sobre esse texto:

...escreve o Apóstolo em outro lugar que o sábado tem sido uma sombra da realidade futura, e que o corpo, isto é, a sólida substância da verdade, que bem explicou naquela passagem, está em Cristo... Portanto, que esteja longe dos cristãos a observância supersticiosa de dias... ainda que o sábado esteja cancelado, entre nós, não obstante, ainda tem lugar isto: primeiro, que nos congreguemos em dias determinados para ouvir a Palavra, para partir o pão místico, para as orações públicas; segundo, para que se dê aos servos e aos operários relaxação de seu labor.” (As Institutas, Vol II p. 159).

A interpretação de Calvino sobre Colossenses 2.16,17 é diferente daquela mantida pelos interpretes confessionais puritanos que encaram esse texto como destacando os outros dias sabáticos, e não o quarto mandamento – nesse ponto os adventistas plagiaram a teologia puritana. Veja quando a CFW cita o texto de Colossesnsses 2.17:

III. Além dessa lei, geralmente chamada lei moral, foi Deus servido dar ao seu povo de Israel, considerado uma igreja sob a sua tutela, leis cerimoniais que contêm diversas ordenanças típicas. Essas leis, que em parte se referem ao culto e prefiguram Cristo, as suas graças, os seus atos, os seus sofrimentos e os seus benefícios, e em parte representam várias instruções de deveres morais, estão todas abrogadas sob o Novo Testamento. Heb.10:1; Gal. 4:1-3; Col. 2:17; Exo. 12:14; I Cor.5:7; II Cor. 6:17; Col. 2:14, 16-17; Ef. 2:15-16.

(Sempre insiro um qualificativo, na soma dessas interpretações reformadas: O sábado foi abolido pela substituição – digo isso por causa de minha concordância confessional com a CFW e com a exegética de João Calvino a respeito de Cl 2.16. Tire o texto de Cl 2.17 citado nessa parte da CFW, e sua doutrina continua a mesma.)

5. A desonestidade acadêmica. Nos pontos 6 ao 8, em especial o ponto 8, o autor demonstra sua ‘competência’ de dar impressões distorcidasEle não mencionou em nenhum momento nessas partes, as doutrinas oficiais presbiterianas a respeito do assunto. Por que não? Para omitir a continuidade da argumentação dos Símbolos de Westminster de forma a levar leitores a terem uma impressão que a defesa do sábado favorece a interpretação adventista! Ele não colocou a parte da CFW que responderia pergunta! Veja a pergunta que ele formulou:

“(8) Por Quanto Tempo Deve Durar o Mandamento do Sábado?” 

Daí ele falou dos comentários de presbiterianos que usam o termo sábado, mas ele não explica que para esses, “sábado cristão” é sinônimo de primeiro dia da semana, domingo, e não sétimo dia!

E se ele colocasse os Símbolos de Westminster que responderia a pergunta? Veja:

CFW: Como é lei da natureza que, em geral, uma devida proporção do tempo seja destinada ao culto de Deus, assim também em sua palavra, por um preceito positivo, moral e perpétuo, preceito que obriga a todos os homens em todos os séculos, Deus designou particularmente um dia em sete para ser um sábado (descanso) santificado por Ele; desde o princípio do mundo, até a ressurreição de Cristo, esse dia foi o último da semana; e desde a ressurreição de Cristo foi mudado para o primeiro dia da semana, dia que na Escritura é chamado Domingo, ou dia do Senhor, e que há de continuar até ao fim do mundo como o sábado cristão. Exo. 20:8-11; Gen. 2:3; I Cor. 16:1-2; At. 20:7; Apoc.1:10; Mat. 5: 17-18.

CMW: 116. Que se exige no quarto mandamento?  No quarto mandamento exige-se que todos os homens santifiquem ou guardem santos para Deus todos os tempos estabelecidos, que Deus designou em sua Palavra, expressamente um dia inteiro em cada sete; que era o sétimo desde o princípio do mundo até à ressurreição de Cristo, e o primeiro dia da semana desde então, e há de assim continuar até ao fim do mundo; o qual é o sábado cristão, que no Novo Testamento se chama Dia do Senhor. Gn 2:3; Is 56:2,4,6,7; I Co 16:2; At 20:7; Jo 20:19-27; Ap 1:10.

Omitir isso, foi evidentemente intencional!!!

Isso é adventismo...



sexta-feira, 1 de setembro de 2017

O falso Jesus das Testemunhas de Jeová

As Testemunhas de Jeová se irritam quando são acusadas de não crerem em Jesus. Quando elas na verdade acreditam em Jesus, e tem até livros que ‘falam de Jesus’. Pode ser que a irritação delas seja justa. Precisa-se de um qualificativo. 

Essa religião deveria ser acusada de crer em outro Jesus, não no Jesus da Bíblia. O Jesus das Testemunhas de Jeová é um falso Cristo, um falso deus, um falso ídolo, idealizado por seus líderes (com um forte pensamento sociano e ariano) e reproduzido nas gráficas da Torre de Vigia. Ele possui uma natureza diferente da defendida pela fé cristã bíblica, e realiza obras estranhas, das que sabemos pela Palavra. 

Portanto o Jesus das Testemunhas de Jeová é e/ou faz:

  1. Um anjo, portanto criado.
  2. Deixou de ser esse anjo quando se tornou homem perfeito.
  3. Morreu pendurado em uma estaca.
  4. Durante três dias em sua morte, existiu apenas na memória de Deus.
  5. Ressuscitou como um espírito angélico poderoso. Seu corpo desapareceu, não foi ressuscitado.
  6. Passou a ser rei no céu em 1º de outubro de 1914, [‘ou um pouco depois’]. Desde então está ‘presente’.
  7. Examinou a cristandade por três anos e meio (de 1914 a 1918), por fim, rejeitou a cristandade.
  8. Em 1919 escolheu a torre de vigia como seu Escravo Fiel e Prudente.
  9. Com algumas mudanças de datas, na década de 30 passou a preparar um povo para viver eternamente na terra.
  10. É mediador apenas de 144 mil pessoas, apenas esses ele deu poder para serem chamados filhos de Deus. Os demais salvos serão amigos de Jeová.
  11. Levará para o céu apenas 144 mil pessoas, pois apenas os tais serão reis com Cristo no céu.
  12. Ele recebe adoração relativa, melhor dizer que ele é homenageado.
  13. Voltará, mas ninguém o verá.
  14. Não garantirá a salvação das pessoas que viverem na Terra, apenas proporcionará condições de serem salvas depois do milênio.
  15. Não ressuscitará todas as pessoas que já morreram.
  16. Não arrebatará ao céu pessoas vivas (o últimos dos 144 mil), elas morrerão para irem para céu, mesmo depois que Jesus voltar.

Esse não é o Senhor Jesus da fé cristã – “meu Senhor e meu Deus”, da confissão bíblica (Jo 20.22; Rm 9.5; Hb 1.6,8,10). Portanto, as Testemunhas de Jeová estão acreditando em um falso Cristo, em uma falsa salvação. A Bíblia adverte algo nessa direção:

O que receio, e quero evitar, é que assim como a serpente enganou Eva com astúcia, a mente de vocês seja corrompida e se desvie da sua sincera e pura devoção a Cristo.

Pois, se alguém lhes vem pregando um Jesus que não é aquele que pregamos, ou se vocês acolhem um espírito diferente do que acolheram ou um evangelho diferente do que aceitaram, vocês o suportam facilmente.




quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Por que a igreja brasileira precisa ouvir o Pr Paulo Júnior?

Não sei de muita coisa a respeito desse pastor de uma igreja da cidade de Franca – SP, Igreja Aliança do Calvário. O que sabemos é o que ele conta nas entrelinhas de suas mensagens. Um homem de oração, jejum e de total submissão à Palavra de Deus, em sua pureza evangélica. Talvez, Paulo Júnior é hoje equiparado ao Rev Hernandes Dias Lopes, em grau de popularidade. Obviamente, o estilo de ambos diferem muito, mas ambos são profetas de Deus para nossa geração brasileira.

Creio que se o Pr Paulo Júnior conter o assédio, que muitos fazem, e manter-se sob os cuidados do Espírito, fugir dos holofotes, segurar sua vida ali ‘no altar de Deus’, no lugar secreto da oração e sob os ditames da humildade, ele continuará sendo uma voz que despertará nossa igreja a um compromisso sério com o Evangelho.

A posição Teológica de Paulo Júnior pode ser identificada com a Reformada, em pontos da soteriologia. Mas creio que o que mais impactou esse Pastor foi a vida poderosa e devocional, dos Reformadores, Lutero, Calvino, John Knox e dos Puritanos (Reformados), como Edwards, mas também, nitidamente, arminianos e pentecostais, como Leonardo Ravenhil, David Wilkerson, imprimiram poderosa influência nele. Como Batista, o Pr. Paulo Júnior obviamente tem uma postura diferente em relação à Aliança, Batismo, Governo da Igreja, Santa Ceia, e ele também crê que o casamento é indissolúvel, mesmo com o adultério.

Por assistir algumas (ou muitas) de suas mensagens, e ver os frutos de sua pregação, em várias pessoas, e pessoalmente, acho que ele merece ser considerado por todos os crentes, pelas seguintes razões:

1. Sua forte ênfase na vida de oração e no jejum. Pr Paulo Júnior tem alertado que sem a oração e jejum, seremos derrotados, e levaremos uma vida medíocre. E isso, parece que ele leva a sério, pois Deus tem agido por essas mensagens. Ele fala disso como um sacrifício necessário (não legalista), para uma vida cristã autentica e poderosa.

2. Sua forte ênfase em um culto reverente. O culto não é show, nem apresentação de talentos humanos. A santidade do culto deve ser em proporção aquele que está sendo adorado, cujo nome é Santo! O Pr Paulo Júnior aqui está alinhado a tradição puritana do culto.

3. Sua forte ênfase na evangelização e missão. O Pastor Paulo, também chama a atenção e obra de evangelização e a entrega total para a missão. Quer orando, ou indo, é claro que a missão da igreja, que é a evangelização, deve ser cumprida, com toda nossa força e entrega.

4. Sua forte ênfase à santidade. Esse pregador também não brinca com o pecado. Sua denuncia é ampla, desde a crentes que não pagam suas contas, a pensamentos e atitudes imorais, especialmente em pornografia na internet, e outros comportamentos que estão drenando os crentes de hoje.

5. Sua forte ênfase na vida piedosa. Em certa mensagem, Paulo Júnior alerta os crentes a não perderem tempo com futilidades, e depois virem ao culto. Que leiam mais a Palavra, decore ela, como muitos jovens de sua igreja tem feito. O conhecimento da Palavra é necessária para a plena formação de uma vida piedosa.

6. Sua forte ênfase contra a teologia da prosperidade e confissão positiva. Paulo Júnior já até ‘atraiu’ inimigos de peso nesse Brasil, por denunciar uma das maiores heresias da igreja moderna - a teologia da prosperidade. Ele não poupa criticas a essa escola de pensamento que dominou as igrejas.

7. Sua forte ênfase na volta de Jesus. Quero destacar aqui, o que sumiu dos púlpitos – a pregação da volta de Jesus. Paulo Júnior fala da volta de Cristo associando aos sinais de nosso tempo. E algo relacionado à volta de Cristo, o juízo eterno aparece sempre em suas mensagens.

Alguém pode até me dizer: mas tudo isso vemos em outros pregadores fieis? Sim... vemos, e a história da teologia cristã não está manca quanto a isso – há inúmeros exemplos e livros que atestam isso. Mas o fato é que Deus está usando esse Pastor, de uma igreja local, em especial pelas mídias, para apontar de forma inequívoca, tais marcas de um cristianismo autêntico.

O site que tem divulgado seu trabalho é o:


Não há duvidas, pelo menos para mim, que temos mais uma ‘voz’, que precisa ser ouvida, sob a luz da Palavra de Deus. Oremos por ele, por sua família, ministério e igreja. Deus seja louvado.



E o Senhor advertiu a Israel e a Judá, pelo ministério de todos os profetas e de todos os videntes, dizendo: Convertei-vos de vossos maus caminhos, e guardai os meus mandamentos e os meus estatutos, conforme toda a lei que ordenei a vossos pais e que eu vos enviei pelo ministério de meus servos, os profetas. 2 Reis 17:13